Entrevista: PETER BROOK

Conhecido como controverso no passado, aos 89 ele continua a dividir as opiniões. Ele fala sobre sua mais recente criação e seu desejo de "saborear a vida mais plenamente"



Por Sarah Hemming

Realizada em 2014


Peter Brook apanha o copo de suco de laranja recém-preparado, que está diante dele na mesa, e o gira nas mãos. "Contemplo o copo de suco de laranja", ele diz. "Ouço, com muita, muita atenção... nenhum som emerge".


Bem, é claro que não, você poderia pensar. Mas embora para a maioria de nós cores, sons e sensações continuem persistentemente separados, para outros as linhas entre eles são porosas. O grande pioneiro do teatro e eu estamos discutindo a sinestesia, uma extraordinária condição neurológica sob a qual os sentidos se sobrepõem: um som, por exemplo, pode evocar uma cor ou sabor. Concordamos em que, se você não tem essa condição, é muito difícil imaginar as sensações que ela causa. O que é exatamente o motivo para que Brook tenha montado uma produção teatral sobre isso.


"The Valley of Astonishment" (O vale do espanto), que estreia no teatro Young Vic de Londres na semana que vem, toma por base as experiências de sinestesia e tenta comunicá-las por meio de depoimentos em primeira pessoa e recursos teatrais. A iluminação, por exemplo, pinta o palco de cores rapidamente mutáveis, para transmitir a sensação que um homem sente ao ouvir música. "Estamos usando o teatro para dar vida a uma pesquisa que de outra forma não teria forma ou corpo", explica Brook.


Peter Brook em cena do filme "Peter Brook: The Tightrope" (2012), dirigido por seu filho, Simon Brook

Não é fácil. Mas durante toda a sua vida Brook teve apetite pelo mais difícil terreno teatral. Agora, frágil mas ainda cordial e vivaz, vestindo uma jaqueta de couro preto sobre uma camisa de cor brilhante, ele está conversando comigo em um opulento hotel de Paris. O lugar está repleto de espaços mobiliados com peças elegantes, mas Brook, caracteristicamente, escolhe um corredor silencioso onde ninguém mais pensaria em se acomodar.


Brook sempre seguiu um caminho próprio. Nos anos 60 e 70, desbravou novos caminhos no teatro britânico, experimentando com formas e revolucionando o teatro com sua encenação minimalista para "Sonho de uma Noite de Verão", de 1970. Sua destilação do teatro em sua forma mais básica, no livro "O Espaço Vazio", de 1968, continua a servir de guia a muitos dos profissionais contemporâneos de teatro. A simples imagem que o livro usa como abertura, a de uma pessoa em um espaço vazio, vem sendo a fundação do trabalho de Brook nas últimas décadas.


Mas ele ainda se sentia reprimido pelas convenções do teatro britânico, naquela época. Em 1970, partiu em uma viagem pelo mundo, explorando práticas teatrais, e nunca mais voltou a morar no Reino Unido. Radicado em Paris, ele criou o Centro Internacional de Pesquisa Teatral. O desenvolvimento de suas produções demora meses, ou até anos.


Os métodos ecléticos de Brook e sua aura de sabedoria produziram forte reverência em alguns quadrantes e ceticismo em outros. Também resultaram em algumas produções notáveis, com um dos pontos altos sendo "Mahâbhârata" (1985), um espetáculo de nove horas baseado na história épica indiana, que recorria a fogo correndo sobre a areia e chuveiros de flechas no palco para representar batalhas titânicas. Tipicamente, ele respondeu ao sucesso da produção mudando de rumo, e partindo para jornadas mais introspectivas.


"Quando o 'Mahâbhârata' saiu de cartaz, recebi um número imenso de convites", ele conta. "Para encenar 'Beowulf', ou as sagas islandesas, ou mitos alemães –tudo isso. Por que eu tinha me tornado O Especialista em Velhos Mitos", ele diz, com uma risadinha.


"Respondi que mitos não eram o meu negócio. As pessoas sempre fazem a mesma coisa. Se monto uma peça de Tchékhov, alguém sempre vem comentar sobre meu próximo Tchékhov... e eu respondo que não existe o próximo Tchékhov. Tchékhov é algo que estou fazendo agora, e só".


"Assim, minha pergunta a mim mesmo e aos meus colaboradores mais próximos era como conduzir uma pesquisa sobre aquilo de que a vida humana consiste, mas de uma perspectiva diferente e com base em condições atuais? Começamos a pesquisar sobre o que é o cérebro", ele diz.


"The Valley of Astonishment" é a terceira de uma sequência de peças sobre a mente, inspiradas inicialmente pelo neurologista Oliver Sacks. A primeira foi "The Man Who..." (O homem que...), inspirada por "O Homem que Confundiu sua Mulher com um Chapéu", um livro de Sacks. A nova produção também é típica do trabalho recente de Brook por ser enxuta, delicada e destilada.


Antes de nossa conversa, vi a peça no Les Bouffes Du Nord, o belo e dilapidado teatro por trás da Gare du Nord em Paris no qual o diretor tem sua casa teatral há mais de 30 anos. É uma produção de estrutura simples, interpretada (em inglês) por três atores e dois músicos, em um palco quase vazio. É humana, seu foco é intenso, mas também traz uma surpreendente leveza, brincando com a audiência.


A plateia está lotada, e muitos dos espectadores ficam no bar depois da peça e discutem o espetáculo com o elenco. Brook diz que isso é comum: a peça realmente toca muita gente. Uma mulher lembrou que sua mãe tinha uma escova de dente de cor diferente para cada dia da semana –uma rotina que subitamente fazia sentido.


"As pessoas que vivem com essa condição na realidade recebem momentos de sua vida com maior riqueza do que nós", observa Brook. "É um lembrete para todos nós de que, qualquer que seja nossa experiência em cada dado momento, existe, nas palavras de Shakespeare, 'um mundo alhures'".


Ele fala sobre um homem que perdeu a propriocepção –o senso de posição corporal que nos permite coordenar movimentos– e ainda assim conseguiu aprender, com muito esforço, a controlar seus membros, usando apenas os olhos.


"Ele veio nos visitar quando estávamos encenando 'The Man Who...'. Para surpresa de todos, a porta se abriu e ele entrou, se sentou e cruzou as pernas. Achávamos que alguém teria de carregá-lo do táxi para dentro. Mas ele contou que não pode perder por um segundo a atenção extrema do olhar. Mesmo hoje. Se, por exemplo, as luzes se apagam por um instante, ele aprendeu a se inclinar para trás contra uma parede, porque de outra forma cairia no chão".


"E o que é mais comovente é que para ele a grande alegria do Natal é que ele fica sozinho em casa e pode se acomodar em sua poltrona e simplesmente relaxar", diz Brooks, amolecendo todo o corpo para demonstrar. "Porque cada momento para ele é uma maratona. Cada momento".


Brook se detém, claramente comovido. E esse certamente é o cerne da peça: ela não foi concebida para fazer com que as plateias se espantem com os casos narrados, mas para alertá-las para as capacidades extraordinárias da mente. A produção nos encoraja a simpatizar com os personagens, mas também a refletir sobre as ferramentas perceptivas que usamos para compreender o teatro. Ela fala de consciência, em diversos sentidos; sobre o que significa ser humano.


O ruído de saltos no mármore do piso revela que temos a companhia de Marie-Hèlene Estienne, francesa que colabora com Brook há muito tempo, uma mulher brusca mas não antipática. Ela veio para discutir sua parte na peça, mas também para garantir que Brook respeite seus horários (ele não gosta de respostas curtas).


Os dois se envolvem em um animado debate sobre o significado da palavra "compaixão". Estienne diz que "acho que você tem que eliminar seu julgamento. Abrir-se. Quando estávamos trabalhando na peça, a primeira coisa que nos veio à mente foi: Mas quem somos nós, de verdade?"


Essa curiosidade insaciada sobre aquilo que nos move parece ser o que leva Brook a continuar fazendo teatro depois de 70 anos no ramo. A simplicidade de seu estilo, um dia revolucionário, hoje surpreende menos –há quem veja suas produções recentes como repetitivas ou anêmicas–, mas a pulsão de compreender continua forte. Seu mais recente livro, "The Quality of Mercy", uma coleção de ensaios sobre Shakespeare, termina com a fala final de Próspero em "A Tempestade", um apelo pelo perdão e para que ele seja "libertado". Tolerância, clemência, atenção –no fim da vida, essas qualidades preocupam Brook.


"O que precisamos, mais e mais, é saborear mais plenamente todos os momentos da vida", ele diz. "E creio que o teatro possa fazer isso. Meu único objetivo no teatro é que as pessoas, depois de experimentarem uma ou duas horas juntas, de alguma forma saiam com mais confiança na vida do que tinham ao chegar".


"The Valley of Astonishment", teatro Young Vic, Londres, de 20 de junho a 12 de julho - youngvic.org.


Tradução de PAULO MIGLIACCI

2 visualizações

Alexander Zimmer 2017® Todos os direitos reservados

Alexander Zimmer - Preparador de Atores
Tel: 21 99258-9865 - Rua Arco-íris, 157, 
Anil

Rio de Janeiro, 22750-110 - Brasil